Para Maria do Carmo, Assistente Social da SOTERO, a atuação do profissional de Serviço Social na empresa é de suma importância, pois além do conhecimento técnico e metodológico do assistente social, ele traz consigo o comprometimento com o código de ética, o conhecimento da rede sócio assistencial e a capacidade de mobilização e articulação com outros setores da empresa.

 O trabalho do assistente social implica em interseções diretas na vida do colaborador por atuar junto aos valores, comportamentos, cultura e conhecimento, elementos estes, que influenciam no desempenho da sua função, na produtividade dele na empresa, questões que não são específicas da área de trabalho. O que para a empresa é muito interessante, uma vez que influenciará no aumento da produtividade da empresa e na diminuição de custos quanto a acidentes, afastamentos, demissões e problemas relacionados ao uso de álcool e outras drogas.

Para os colaboradores o valor é maior ainda, porque o assistente social consegue fazer a mediação entre o colaborador e a empresa, a sua integração e o atendimento social de caráter educativo, visando a mudança de atitudes, comportamentos, referentes a insubordinação, ao absenteísmo, alcoolismo, relacionados à vida privada do colaborador e no que se refere aos conflitos familiares, dificuldades financeiras, doenças, tendo como foco a manutenção da força de trabalho.

As atividades mais recorrentes do Serviço Social na empresa são: o atendimento aos afastados do trabalho, com comprometimento laborativo para a área de atuação; atendimento aos familiares; acompanhamento em processo de reabilitação profissional; visitas domiciliares e hospitalares; ações e palestras de prevenção à saúde e uso de drogas; relacionamento com os líderes operacionais; benefícios; orientações e suporte ao colaborador e/ou família em casos de falecimento; orientações de direitos previdenciários e gestão de projetos sociais.

 

HISTÓRIA

Maria do Carmo Messeder Machado é assistente social da SOTERO. Formada em Serviço Social, pela Universidade Católica do Salvador, ingressou na VEGA ENGENHARIA em início de dezembro de 2002 quando foi convidada para implantar o Serviço Social na empresa, uma reivindicação de todos os seus representantes. Um desafio e tanto, uma empresa de grande porte, com muitos problemas, que não temos hoje, que possibilitaram a sua prática profissional, até então como Assistente Social da Secretaria do Trabalho e Bem-Estar Social do Estado da Bahia a 16 (dezesseis) anos. “A alegria da realização de um trabalho comprometido com o bem-estar coletivo, com a garantia da igualdade de direitos humanos, fez com que eu me decidisse em aceitar o convite. Não poderia deixar de mencionar o acolhimento, a confiança de Lourdinha, Encarregada do Departamento de Pessoal e RH na época, que ajudaram o despertar de ideias e projetos sociais viáveis para a empresa, sugerindo os melhores caminhos”.

Para conquistar a posição que ocupa hoje na empresa “Dona Maria” como é conhecida na área operacional e “MC” por muitos na área administrativa, precisou de muita dedicação. Casada, mãe de quatro filhos e quatro netos, se considera realizada, inclusive profissionalmente.

“Com o passar dos anos, ocorreram muitas mudanças na empresa, procurei assumir uma postura profissional voltada para os colaboradores, promovendo ações efetivas para a satisfação deles”. A mediação dos conflitos era essencial para que “vestissem a camisa da empresa”, contribuindo assim, para o alcance das metas da empresa, respondendo à necessidade de integração a um mercado cada vez mais competitivo e globalizado. Dessa forma, a empresa conseguia controlar e disciplinar os seus colaboradores e ao mesmo tempo aumentava a exigência por maiores índices de produtividade. Era importante para a dinâmica do trabalho, fazer-se conhecer como representante de uma força da empresa transmitindo suas formas de percepção, interesses, necessidades e propostas de ação para o Sindicato, CIPA e demais representantes, e isto foi realizado.

Na ordem de importância dos contextos vinculados às necessidades dos colaboradores, em 2010, a área operacional foi atendida com o seu plano de saúde, uma conquista que resultou num esforço de todos. Especificamente, esse momento para o Serviço Social foi um avanço, um caminhar junto com os trabalhadores, principalmente quando estes passavam por situações de doenças graves e acidentes do trabalho onde tinham que enfrentar dificuldades de toda a ordem. O Serviço Médico e a Segurança do Trabalho, parceiros do Serviço Social de todos os momentos. “Atuávamos em conjunto sempre fornecendo informações relevantes, estabelecendo uma via de comunicação com a família do colaborador e o seu ambiente de trabalho quando este apresentava restrição para o desempenho da sua função, visando amenizar a vida do colaborador”.

Ao longo da sua trajetória surgiram vários projetos sociais sob a coordenação do Serviço Social, entre eles: o Programa de Doação Voluntária de Sangue, o Projeto de Inclusão Digital para capacitar jovens de comunidades carentes, o Projeto Criança Canabrava, o Programa Girassol para a contratação de pessoas com deficiência, o Programa Escola Hospitalar Criança Viva, o Projeto Abrigo São Gabriel para Idosos desprovidos de recursos, o Projeto de Voluntariado e mais recentemente, o Projeto SOTERO vai até você.

Felizmente, muita coisa mudou de lá para cá e a participação do Serviço Social na dinâmica da empresa é reconhecida e se consolidou em todos os setores. Maria do Carmo diz que o importante é colocarmos em nosso trabalho, além do conhecimento, todo o nosso entusiasmo e responsabilidade nas nossas ações. O orgulho de pertencer ao Grupo SOLVÍ se faz presente quando “ veste a sua camisa”, e mais um dia começa.

Maria-do-Carmo-dia-do-Servio-Social



ÚLTIMAS NOTÍCIAS